Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Rádio Web

Publicidade

 

 

 

...e como isso afeta as chances de Bolsonaro e Haddad

Elas são 52% de todo o eleitorado brasileiro e normalmente definem o voto às vésperas da corrida às urnas. Com o #EleNão, ganharam ainda mais destaque neste processo como público decisivo

Do infomoney - Estadão

As ruas de diversas cidades brasileiras foram tomadas, no último fim de semana, por atos contrários e favoráveis à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da República. O parlamentar lidera as pesquisas de intenções de voto a 6 dias do primeiro turno, com vantagem que chega a 10 pontos percentuais em relação ao segundo colocado, o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT), de acordo com o último Ibope.

Por outro lado, o militar reformado enfrenta um elevado índice de rejeição, sobretudo entre o eleitorado feminino, protagonista nas recentes manifestações, embaladas pelo grito #EleNão, que também englobou pautas mais abrangentes em defesa da democracia e dos direitos humanos.

Os impactos dos atos sobre o processo eleitoral ainda estão em avaliação. O que se sabe é que as mulheres são maioria, correspondendo a cerca de 52% de todo o eleitorado brasileiro, e normalmente definem o voto mais próximo da reta final. Segundo a última pesquisa Datafolha, 41% delas dizem que seu voto pode mudar até o tão esperado 7 de outubro, contra 27% dos homens.

Hoje, 19% das mulheres se dizem indecisas ou declaram voto em branco ou nulo. A diferença é a maior desde a redemocratização, o que se explica principalmente pelo perfil do apoio hoje depositado em Bolsonaro.